Turiya (Osho)

O homem tem três fontes de energia: uma é o corpo, a outra é a mente, a terceira é o coração. No ponto em que as três energias se encontram, se fundem, se tornam uma, surge a quarta energia.

Você não pode chamá-la de corpo, nem de mente, nem de coração, e por isso ela é simplesmente chamada de turiya, a quarta. Ela nunca recebeu um nome.

O despertar da quarta energia é o começo do sagrado, da transformação, o início da vida real, da vida autêntica, da vida eterna, da vida divina.

Esses três rios existem em todas as pessoas, mas raramente se encontram. A mente puxa para um lado, o coração para outro, o corpo para outro. Eles nunca entram em acordo.

Se você observar seu funcionamento interno, ficará surpreso: os três nunca entram em acordo. O corpo diz: “Pare. Não quero comer mais, estou cheio”. Mas a mente diz: “O sorvete é tão delicioso! Só mais um pouquinho…” O coração diz: “Isso é lindo”. A mente diz: “Você é bobo, idiota. Você está louco”.

Sempre que o coração se apaixona, a mente diz: “É cegueira”. E sempre que o coração segue qualquer direção, a mente acha um defeito. Eles vivem em mundos diferentes.

Todo o processo da meditação é ajudar essas forças conflitantes a se encontrarem, se fundirem, se tornarem harmoniosas. E então você se enche de energia, porque toda aquela energia que era desperdiçada em conflitos desnecessários se torna disponível para você.

E é essa energia que se transforma em asas e o leva para o além.

(Osho, em “Meditações Para a Noite”)

O Papel do Curador

O Toque – Osho em O Livro da Cura

Os médicos mais proeminentes disseram que não podemos curar o corpo; o corpo
cura a si mesmo – nós podemos ajudar.
A cura não é uma profissão comum. Você não está reparando mecanismos, não é
somente uma questão de know-how, é uma profunda questão de amor… Você está
jogando com seres humanos e suas vidas, e isto é um fenômeno complexo.  90%
do trabalho é amor, 10% é técnica.  Se você tiver amor e compaixão pelo
outro, se você for grato e a pessoa confiar em você e permitir que você
brinque com as energias, pouco a pouco, você poderá sentir a harmonia criada
dentro do corpo. Não apenas a pessoa será ajudada, mas você também. Tenha
muito respeito com um corpo humano. ele é o verdadeiro santuário de Deus, o
templo de Deus.
O curador não é um curador ainda que a cura aconteça através dele.  Quanto
menos você é, melhor a cura irá acontecer.  Uma pessoa doente é alguém que
desenvolveu bloqueios entre ele mesmo e O Todo, esqueceu a linguagem
de curar a si mesmo.  A função do curador é reconectá-lo com humanidade,
humildade, simplicidade.  Não se torne um doutor, um técnico, mas um veículo
da energia curativa divina.  Deixe existir o paciente – tenha grande
reverência pelo paciente, não o trate como um objeto – e deixe existir Deus,
e com profunda devoção permita que Deus flua através de você e atinja o
paciente.
Todo mundo pode se tornar um curador. Curar é algo parecido com respirar; é
natural. Alguém está doente; isto significa que ele perdeu sua capacidade de
curar a si mesmo. Ele não mais está consciente de sua própria fonte
curadora. O curador está ajudando-o a se reunificar. Esta é a mesma fonte da
qual o curador se abastece, mas o homem doente esqueceu completamente de
como entender a sua linguagem.
Existem muitos curadores que curam mas não sabem como acontece; eles não
conhecem o mecanismo. Se você também entende, você pode ajudar o paciente a
ser curado e você pode ajudá-lo a estar consciente da fonte de onde a cura
está acontecendo. Assim não somente ele é curado de suas doenças atuais, ele
é prevenido de futuras doenças. Então a cura está perfeita. Ela não é
somente curativa, ela também é preventiva.
Curar quase se torna uma experiência de oração, uma experiência de Deus, de
amor, do todo.
Osho