Explosão solar cala celulares no RJ

O raro fenômeno da Aurora Austral, entre a Antártica e a Austrália, é fotografado pelo austronauta holandês Andre Kuipers a bordo da Estação Espacial Internacional

Depois da chuva de granizo que atingiu Campo Grande, na Z. Oeste, na segunda-feira, o Rio sofre os efeitos da tempestade solar — ou explosão solar — que ocorre desde o dia 2 de março, segundo a Nasa, agência espacial dos EUA.

Ontem, aparelhos de rádio da Nextel ficaram sem funcionar durante todo o dia, na Baixada Fluminense. Conforme a operadora, o apagão foi provocado pelo fenômeno solar. Os ventos cósmicos carregados de partículas solares avançavam em grande velocidade — cerca de 100 km por segundo — e atingiram a atmosfera terrestre. A tempestade chegou ao nível 3, numa escala de 0 a 5, afetando as comunicações por rádio e GPS.

 

Fonte: http://odia.ig.com.br/portal/rio/explos%C3%A3o-solar-cala-celulares-1.419208

Explosão solar interrompe comunicações da Terra

(clique na imagem para ver a animação)

SÃO PAULO – Uma poderosa explosão solar, que deu origem à maior tempestade geomagnética em quatro anos, já interrompeu alguns meios de comunicação na Terra, afirmou o professor Daniel Baker, da Universidade de Colorado Boulder, conhecido como especialista em meteorologia do espaço.

Classificada como uma explosão de classe X, o evento do dia 15 de fevereiro também mandou bilhões de toneladas de partículas carregadas em direção à Terra no que foi chamado de ejeções coronais em massa e iniciou uma tempestade geomagnética no campo magnético da Terra, disse Baker.

Essas poderosas ejeções podem provocar uma variedade de questões socioeconômicas e de segurança, variando da interrupção do funcionamento dos sistemas de navegação de linhas aéreas até colar em risco a segurança das tripulações de aviões em naves espaciais.

Baker afirma que o “Sol está acordando” depois de passar diversos anos em seu estado de menor atividade desde o início do século XX.
Continuar lendo