Técnica permite reescrever DNA em ser vivo

Técnica permite reescrever DNA em ser vivo

Por Paula Rothman, de INFO Online

São Paulo – Uma nova tecnologia desenvolvida nos Estados Unidos permite editar o DNA em seres vivos, alterando o genoma das células sem danos ao organismo.

O feito realizado em conjunto pelo Massachusetts Institute of Technology e a Universidade de Harvard foi bem sucedido em linhagens da bactéria E.coli, mas pode abrir caminho para uma série de novos experimentos.

A tecnologia que pode ser usada para reescrever o código genético de um ser vivo foi publicada hoje na Science, uma das mais renomadas revistas científicas do mundo. Ela é fruto de sete anos de pesquisa dos laboratórios de Joseph Jacobson, dos MIT, e George Church,de Harvard.

O processo pode ser descrito como similar à função “localizar e substituir”, do software Word: ele encontra uma sequencia específica no DNA e a reescreve, substituindo-a por outra.

O DNA é composto por longas cadeias de “letras” – A,T, C e G, cada uma representando uma base nitrogenada. A combinação dessas diferentes letras é como uma receita que a célula segue na hora de produzir uma proteína: cada sequencia diz ao corpo que ele deve unir aminoácidos específicos que, juntos, formam uma proteína.
Continuar lendo

O DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e freqüências

O DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e freqüências


FONTE: http://quantumpranx.wordpress.com/dna-can-be-influenced-and-reprogrammed-by-words-and-frequencies/
Por Grazyna Fosar e Franz Bludorf – Quantum Pranx
TRADUÇÃO: lhas3126@gmail.com


Descobertas da Rússia sobre o DNA: Versão Original


O DNA humano é uma Internet BIOLÓGICA e superior em muitos aspectos a uma rede artificial. A mais recente pesquisa científica russa, direta ou indiretamente, explica fenômenos como a clarividência, a intuição espontânea e atos remotos de cura, auto-cura, as técnicas de afirmação vocal, a luz incomum / aura em torno de pessoas, influência da mente sobre padrões climáticos e muito mais. Além disso, há evidências de um novo tipo de medicina nas quais o DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e freqüências SEM remover e substituir um único gene, ou sem a prática da medicina invasiva convencional.

Apenas 10% do nosso DNA está sendo usado para construir proteínas. É este subconjunto do DNA que é do interesse dos pesquisadores ocidentais e está sendo examinado e categorizado. Os outros 90% são considerados “DNA lixo”. Os investigadores russos, no entanto, convencidos de que a natureza não era estúpida (como os cientistas conseguem ser na maioria das vezes), se juntaram a lingüistas e geneticistas em uma aventura para explorar os 90% de “DNA lixo”. Seus resultados, descobertas e conclusões são simplesmente revolucionários! Segundo eles, nosso DNA não é apenas responsável pela construção do nosso corpo, mas também serve como armazenamento de dados e de comunicação. Os lingüistas Russos compreenderam que o código genético, especialmente nos 90% aparentemente inúteis, seguem as mesmas regras que todas as nossas linguagens humanas. Para este fim, eles compararam as regras da sintaxe (a forma em que as palavras são unidas para formar frases e sentenças), a semântica (o estudo do significado nas formas de linguagem) e as regras básicas da gramática.

Eles descobriram que os alcalinos de nosso DNA seguem uma gramática regular e têm estabelecer regras como as nossas linguagens. Assim as linguagens humanas não surgiram coincidentemente, são um reflexo do nosso DNA inerente. O biofísico russo e biólogo molecular Pjotr ​​Garjajev e seus colegas exploraram também o comportamento vibracional do DNA. [Para efeitos de concisão Vou dar apenas um resumo aqui. Para a exploração, por favor consulte o apêndice no final deste artigo] O resultado foi:. “Cromossomos vivos funcionam como solitônicas / computadores holográficos que usam a irradiação Laser do DNA endógeno”. Isso significa que eles conseguiram, por exemplo, para modular a freqüência de certos padrões em um raio laser e com isso influenciar a freqüência do DNA e, assim, a própria informação genética. Desde que a estrutura básica dos pares alcalinos do DNA e da linguagem (como explicado anteriormente) são da mesma estrutura, nenhuma decodificação do DNA é necessária.


Pode-se simplesmente usar palavras e sentenças da linguagem humana! Isto, também, foi provado experimentalmente! A Substância viva (DNA no tecido vivo, não in vitro), sempre reagirá aos raios laser modulados na linguagem e até às ondas do rádio, se as freqüências apropriadas estiverem sendo usadas.
Continuar lendo