O porque de não retornarmos à Lua

Porque não retornamos à Lua

As missões lunares da Apollo, nos anos sessenta foram o início da corrida espacial, uma viagem para as estrelas. Inicialmente, todas as missões lunares foram para a investigação do astro mais próximo ao nosso, recolha de amostras de solo e rochas e elementos metálicos, bem como a busca por vida extraterrestre. Neil Armstrong o primeiro homem a pisar na lua nunca em seus sonhos mais selvagens poderia imaginar o que foi encontrado, na superfície da lua. Outros astronautas em missões seguintes também tiveram avistamentos inacreditáveis na trajetória em torno da Lua enquanto faziam a preparação para o pouso na sua superfície. Cada um e cada missão à lua era observada de perto por uma nave alienígena, não era incomum para cada nave Apollo, ser seguida a partir da Terra para a lua. Referências de bogey ou Santa Claus, muitas vezes significava que havia uma nave extraterrestre nas proximidades da nave Apollo. Neil Armstrong e Edwin “Buzz” Aldrin, ambos afirmaram ter visto OVNIs na Lua em 21 julho de 1969 na Apolo 11. Os astronautas disseram que viram uma luz e um objeto estacionado perto da borda de uma cratera. Também teria acontecido de um dos astronautas tropeçar perto da borda de uma cratera e um outro astronauta chegando a ajudá-lo antes que ele caísse. Se caísse dentro de uma cratera poderia ser mortal.Os astronautas estavam apenas a pouca distância das naves e com oxigênio suficiente para fazer uma caminhada curta na superfície da Lua. Já a  Apollo 13 esteve com problemas, mas o pior foi a falta de oxigênio devido à explosão de um tanque e com o fogo, a história diz que o regulador de pressão não funcionou acima de uma certa temperatura e, uma vez que tinha sido danificado, devido ao incêndio, a pressão causou uma explosão. A nave aterrissou nesta missão, mas passou pouco tempo na superfície, então tiveram que rodar em torno da lua em uma revolução e retornar à Terra. Alternativas não faltaram sobre histórias do que teria acontecido na Apollo 13, uma delas é que a missão Apollo anterior tinha ido à Lua carregando um pequeno dispositivo explosivo. O explosivo foi colocado na Lua e longe das naves de desembarque e, em seguida detonou-se uma explosão retumbante na Lua e esta teria vibrado como um sino por duas horas, ou seja a Lua é oca. Então Apolo 13 em seu caminho para a Lua tinha outro, mas maior artefato explosivo colocado nela para detonação, mais uma vez sobre a superfície da Lua. Os rumores são de que mais uma vez, uma nave alienígena estava em proximidade com o Apollo 13 e estavam cientes do dispositivo a bordo. Foi este dispositivo explosivo que teria sido alvejado por um OVNI e explodiu OVNI DO ARQUIVO DA NASA9 causando danos aos tanques de oxigênio. Teoricamente, a missão Apollo 13 nunca deveria ter retornado a Terra e os tripulantes deveriam ter morrido de inanição de oxigênio. Supõe-se que o OVNI ajudou a nave Apollo a voltar para a órbita da Terra. A razão por trás da explosão provavelmente seria causar danos incalculáveis ​​para a superfície da Lua e talvez, dano a civilização alienígena que está com bases lá e fazendo mineração de superfície por um longo tempo. Apesar de haver várias missões para a Lua, elas eram curtas e gastavam muito pouco tempo sobre a superfície da Lua, basicamente porque haviam sido pré-planejadas pela Nasa. Embora não houvesse explicação para essas missões serem apressadas, ​​os astronautas lançaram alguma luz sobre o assunto, “nós fomos alertados e orientados a não voltar”. Havia um plano de fazer uma base na Lua e que deveria ter acontecido há muito tempo, o incidente em que uma nave que teria sido vista no outro lado da lua, provavelmente, acabou com qualquer desses planos. Marte também havia sido planejada para uma base de pouso, mas nunca aconteceu. A militarização do programa espacial e do espaço em si tem arquivado todas as idéias de estações espaciais em torno de outros planetas e bases em sua superfície. Vejam no álbum abaixo algumas outras fotos e tire sua conclusão:

Apagaram algo dessa imagem

Naves voando ao fundo

Mais naves

Algum monumento

Continuar lendo

Apollo 20 – A Cidade Encontrada na Lua (com fotos)

Continuação do post anterior. Apollo 20 – A Missão secreta

L. S. – Você visitou a “cidade” na Lua? Onde é? Você entendeu se havia alguma conexão com a nave espacial? A “cidade” e a “nave” ainda estão lá?

W. R. – A “cidade” foi nomeada na Terra e programada como Estação 1, mas pareceu ser um lixo espacial real, cheio de pedaços, peças de ouro, somente uma construção parecia intacta (colocamos o nome de Catedral). Fizemos fotos com pedaços de metais, de toda peça revestida de caligrafia exposta ao sol. No vídeo, as fotos na tela fazem os artefatos parecerem maiores.

L. S. – E o que me diz da “Mona Lisa EBE”? [O nome correto em italiano é Mona Lisa]. Como ela é e onde ela estava na hora que a encontrou na Lua? Onde você acha que ela está agora?


W. R. – Mona Lisa. Não me lembro quem a deu este nome, Leonov ou eu, era o EBE intacto. Humanóide, fêmea, com 1,65 m de altura, cabeluda, seis dedos. Função: piloto, pilotar dispositivo fixado para dedos e olhos, sem roupas, tínhamos que cortar dois cabos ligados ao lugar do nariz. Não havia narinas. Leonov soltou o dispositivo dos olhos. Concreções de sangue ou biolíquido estourou e congelou a boca, nariz, olhos e algumas partes do corpo.

Algumas partes do corpo estavam em boas condições e não muito comum, (cabelo) e a pele estavam protegidos por uma capa fina transparente. Com dissemos para o controle de missão, as condições do corpo pareciam não vivas e não mortas. Não tínhamos nada de equipamentos médicos, muito menos experiência, mas eu e Leonov fizemos um teste, fixamos nosso bio equipamento no EBE, e telemetricamente as ajudas recebidas pelo cirurgião (médicos da missão de controle) foram positivas. Há outra história, algumas partes poderiam estar inacreditáveis agora, prefiro contar a historia completa quando outro vídeo estiver on-line. Esta experiência foi filmada no LM, encontramos um segundo corpo destruído, trouxemos a cabeça a bordo. A cor da pele era cinza azulado, um pastel azul. A pele tinha detalhes estranhos acima dos olhos e a frente, uma fita ao redor da cabeça não que havia inscrição. A “cabine do piloto” estava cheia de caligrafias e era formado por longos tubos semi-hexagonal. Ela está na terra, não esta morta, mas prefiro postar outros vídeos antes de dizer o que aconteceu depois.
Continuar lendo