Aivanhov – Silencio

O silêncio pode dar medo para alguns, pois eles o sentem como imobilidade, como estagnação, como deserto, como vazio. Na verdade, existe silêncio e silêncio. Em linhas gerais, pode-se dizer que existem dois tipos de silêncio: o da morte e o da vida superior. É preciso amar e cultivar em si mesmo o silêncio da vida superior. Este silêncio não é inércia, mas um trabalho intenso que se realiza numa harmonia perfeita. Não é também um vazio, uma ausência, mas uma plenitude comparável a que sentem os seres unidos por um grande amor: eles vivem algo tão profundo, que não podem exprimi-lo através de gestos ou de palavras. Sim, o verdadeiro silêncio é a expressão de uma presença: a presença divina.

Omraam Mikhaël Aïvanhov

Turiya (Osho)

O homem tem três fontes de energia: uma é o corpo, a outra é a mente, a terceira é o coração. No ponto em que as três energias se encontram, se fundem, se tornam uma, surge a quarta energia.

Você não pode chamá-la de corpo, nem de mente, nem de coração, e por isso ela é simplesmente chamada de turiya, a quarta. Ela nunca recebeu um nome.

O despertar da quarta energia é o começo do sagrado, da transformação, o início da vida real, da vida autêntica, da vida eterna, da vida divina.

Esses três rios existem em todas as pessoas, mas raramente se encontram. A mente puxa para um lado, o coração para outro, o corpo para outro. Eles nunca entram em acordo.

Se você observar seu funcionamento interno, ficará surpreso: os três nunca entram em acordo. O corpo diz: “Pare. Não quero comer mais, estou cheio”. Mas a mente diz: “O sorvete é tão delicioso! Só mais um pouquinho…” O coração diz: “Isso é lindo”. A mente diz: “Você é bobo, idiota. Você está louco”.

Sempre que o coração se apaixona, a mente diz: “É cegueira”. E sempre que o coração segue qualquer direção, a mente acha um defeito. Eles vivem em mundos diferentes.

Todo o processo da meditação é ajudar essas forças conflitantes a se encontrarem, se fundirem, se tornarem harmoniosas. E então você se enche de energia, porque toda aquela energia que era desperdiçada em conflitos desnecessários se torna disponível para você.

E é essa energia que se transforma em asas e o leva para o além.

(Osho, em “Meditações Para a Noite”)