Religiões e o controle das pessoas

Quando o cristianismo foi planejado, ele tinha uma visão política e econômica de existir. Logo, para que o plano desse grupo de pessoas desse certo, eles precisariam se tornar grandes e poderosos. A motivação nunca foi espiritual. Na verdade o espiritual era uma forma de controlar as pessoas de forma econômica e política. Portanto essas pessoas adentraram e se infiltraram em grupos pagãos e diferentes movimentos. Criaram suas celebrações em datas que concidissem com as cerimônias naturais como solstícios e equinócios e aos poucos foram descendo goela abaixo sua doutrina fazendo as pessoas a participarem disso.

Interessente é que Jesus ou Yeshua ou Sananda nunca planejou nada disso, nenhuma religião. Seu conhecimento oculto foi transmitido secretamente a pessoas escolhidas. Pessoas essas que estavam preparadas para lidar com essas informações e fazerem bom uso dela. Se o próprio Mestre não inventou religião alguma, porque qualquer outra pessoa teria a ousadia de assim fazê-lo? Porque sabiam mais do que ele? Porque fariam um trabalho melhor que o dele? Provavelmente a respostá é não.

Outros movimentos bem grandes atualmente tiveram a mesma idéia. Sabendo do método do cristianismo se proporam a fazer o mesmo. Se infiltraram nas igrejas católicas, estudaram (bem mal) a doutrina, utilizaram o mesmo personagem que está no inconsciente coletivo da população e mais uma vez criaram um projeto de controle político e econômico da população. Novamente, a motivação não foi espiritual. O espiritual foi uma forma de acesso as pessoas para então usá-las, explorando suas fraquezas e utilizando do medo como uma forma de dar uma solução simples para resolver os problemas das pessoas.

O que virá no futuro? Talvez mais uma idéia similar, mais do mesmo, mudando uma coisa ou outra e trazendo alguma mudança banal que não trará resultado algum.

Por que esse ciclo continua se repetindo? Porque as pessoas querem até aprender algo novo, desde que isso não entre em conflito com as coisas no qual elas já sabem. Faz sentido?

A pessoas tem medo do desconhecido e preguiça de trilhar novos caminhos. É muito mais cômodo participar de algo que já existe há muito tempo, afinal de contas, se não faz bem, mal não faz né? Ninguém nunca morreu por causa disso, né? Bem… deixa pra lá…

O curioso é que essas doutrinas deixam marcas profundas nas pessoas, pois mesmo após deixá-las, elas ainda possuem um medo grande como se qualquer coisa que estivessem fazendo pudesse ainda afetá-las, podendo ser pecado, ou por que aprender algo novo pudesse ser um desrespeito a doutrina que aprenderam. Ainda, mesmo não acreditando mais naquilo, aprendo coisas que fazem realmente sentido, ainda possuem medo e fazem o possível para não desrespeitar aquela instituição.

Podemos observar que a exploração do medo (Você deve temer a deus), é algo que cristalizou nas pessoas.

Que Divindade é essa que precisa aterrorizar e castigar as pessoas?

Essas doutrinas revelam por si só o nivel de consciência no qual elas transmitem.

Por todos os cantos existem pessoas te chamando para esses movimentos, querendo empurrar goela abaixo esse dogmatismo que elas acreditam. Eu considero isso uma ofensa. É uma ofensa a pessoa ter a pretenção de acreditar que sabe mais que outrém. É uma ofensa acreditar que seu conhecimento vale mais que o dos outros devendo voce largar o seu em troca do que o outro tem oferecer. É uma ofensa alguém te convidar para a religião dela, pois o que de fato ela pensa é que o seu conhecimento e suas experiencias não valem de nada, que você está errado e que sua filosofia espiritual não tem respeito algum.

Muitas pessoas criticam os ateus. Eu não, eu os respeito e compreendo. Eles são mais dignos que as pessoas religiosas. No fundo, eles são apenas pessoas que pesquisaram, estudaram, tentaram entender algo e viram que tudo aquilo não passa de um baboseira sem sentido e sem propósito e que logo, não deveriam participar disso. O que diferencia um ateu e um espiritualista são apenas experiencias. O que faz uma pessoa ser espiritualizada são experiencias que ela viveu, complementadas por informações que ela foi adquirindo ao longo do tempo. O ateu buscou informações mas não teve a oportunidade de ter as experiencias. São essas experiencias de conexão com o Divino que diferenciam as pessoas que acreditam em Deus para aquelas que sentem Deus.

A diferença principal da religião e da espiritualidade é essa. A religião te faz acreditar em algo. A espiritualidade te faz viver algo, sentir, experienciar… logo, não precisa acreditar em nada pois o que você sente é o que é importante e seu coração é o caminho.

A religião não deveria estar envolvida na política, na economia, nem na sociedade. A sociedade é livre e deveria permanecer assim.

Se você acha que a sociedade deve ser livre e todas a pessoas devem ser respeitadas independente de suas crenças, você deveria observar essas movimentos com mais cautela, pois você pode até respeitá-los, mas eles não respeitam você. Eles estão silenciosamente infiltrados na política, sociedade e economia. E estão lá, criando leis e propondo mudanças que vão cercear sua propria liberdade e livre-arbítrio. Te obrigando a viver a mesma insanidade que eles vivem, até que você desista e se torne como eles.

Sem mais,

Al .:.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s